Desequilíbrio

Geralmente pensamos que para ter uma vida plena e de sucesso precisamos ter tudo sob controle, em perfeita sintonia e num equilíbrio total. Este pensamento está certo, todavia, muitas vezes interpretamos a palavra equilíbrio de maneira inadequada e acabamos por entender o seu significado de maneira muito superficial. O equilíbrio em nossas vidas não se obtém no curto prazo mas sim, ao longo de vários anos de esforço e dedicação.

Por definição, equilíbrio é um substantivo masculino que significa “harmonia, estabilidade, solidez, aquilo que se distribui de maneira proporcional”. No sentido figurado, pode significar “prudência, moderação, domínio de si mesmo”. Na área da física equilíbrio é definido como “uma condição de um sistema em que as forças que sobre ele atuam compensam, anulando-se mutuamente”, outra definição igualmente válida é: “posição estável de um corpo, sem oscilações ou desvios”.

Des(equilíbrio)
Des(equilíbrio): parado completamente o surfista afunda

Com apenas esses significados é possível perceber que o equilíbrio por completo remete à estar parado, estagnado, não sofrer com interferências externas. Ora, ninguém progride estando onde está. O total equilíbrio em nossas vidas é conhecido como zona de conforto. Nessa área temos tudo sob controle, porém, sem um avanço que possa nos permitir aumentar nossa área de influência, atuação e prosperidade.

Não que não seja saudável estar em uma zona de conforto, porém, precisamos estar cientes que ela também nos limita! Deixamos muitas vezes de arriscar em novas atividades, vislumbrar projetos pessoais, obter novas experiências, etc. Os chineses têm um provérbio cheio da velha sabedoria do imutável Oriente: “Quem anda devagar vai longe”. Devemos agir igual ao equilibrista que estando sobre uma corda bamba precisa, eventualmente, se desequilibrar para chegar do outro lado.

Discordância

Todo mundo em algum momento já sentiu a necessidade de discordar de algo ou alguém, expor e defender a sua opinião com unhas e dentes a ponto de aumentar o tom da voz, utilizar de palavras ruins e gestos completamente desnecessários. No trânsito, por exemplo, se sofremos uma batida de outro carro já saímos esbravejando com os punhos à mostra, cheios de razão querendo que o culpado pague o prejuízo… Muitas vezes não nos preocupamos com a situação como um todo…

discordância
discordância: apenas pense!

Engana-se quem pensa que discordar existe apenas com àquilo que é diferente ou, distante de nós. Nas relações de amizade, por exemplo, não existe apenas a concordância, a discordância existe e deve ser respeitada. Tal atitude quando bem medida pode ser um sinal de progresso, pois, é preciso parar e refletir sobre o que não se vê de imediato.

Um ato de discordância, geralmente precede uma externalização do sentimento de raiva ou, ainda pior, do ódio. Buda dizia: “ódio nunca termina por ódio, mas por amor”. Um mal-entendido nunca termina pela discussão, mas pela tática, diplomacia, conciliação e um desejo simpático de ver o ponto de vista da outra pessoa. É preciso saber ouvir mais do que falar, acolher pensamentos contrários ao nosso, desconfiar de nossa primeira impressão instintiva. Será que estamos certos o tempo todo!?

O melhor meio de vencer uma discussão é evitá-la. Todo o caos gerado nos remete à necessidade de buscar o equilíbrio, nem sempre é possível num primeiro momento mas, sempre possível no longo prazo. Nem toda disputa por um direito claro é saudável, lembre-se: É preferível ceder o caminho a um cachorro a ser mordido por ele!

Carpe Noctem

A cada novo ciclo é possível rever todo o caminho trilhado até então, podemos ainda rever o que deu errado e agradecer pelos objetivos alcançados. Muitas vezes deixamos de mostrar e praticar essa gratidão e desviamos nossa atenção para coisas e pessoas que não nos agregam e nem nos engrandecem enquanto seres humanos.

No dia a dia somos expostos a situações adversas que requerem nossa atenção de maneira única, pensamentos e atitudes direcionadas que simplesmente nos cansam. Às vezes, uma fala inesperada já é suficiente para fazer o chão desabar sob nossos pés. Devemos ater nossa atenção às coisas que nos fazem bem, àquilo que nos faz brilhar os olhos e faz com que tenhamos que pensar em formas de executar a qualquer custo por satisfação pessoal.

carpe noctem
carpe noctem: aproveite a noite

Estamos cercado de obrigações, deveres, coisas e comportamentos que não gostamos mas, simplesmente toleramos e essa aceitação forçada faz com que elas acabem fazendo parte do nosso ser. Atrapalham nossa vida, influenciam nossas decisões, nossa saúde. Chega disso, não!?

No meio disso tudo, os dias vão se passando e cabe a nós escolher como vamos passar pelos dias… Devemos extrair e direcionar nossos esforços para o que há de melhor em nós, manter o foco naquilo que realmente nos agrega valor e nos faz crescer cada vez mais e, sempre que possível reavaliar tudo de novo.