Sonhos

Os sonhos são uma extraordinária maneira do cérebro humano construir inúmeras possibilidades abstratas que nada mais são do que consequência de vontades desconhecidas, desejos esquecidos ou, objetivos desejados por nós em algum momento de nossas vidas. Proporcionam sensações e criam lembranças, muitas vezes, nunca vividas antes.

Todos nós podemos e devemos ter sonhos, dos mais variados tipos e intensidades. A partir deles é possível vislumbrar àquilo que desejamos com tanto afinco, serve de combustível que nos impulsiona. A partir deles, definimos metas a serem alcançadas, tudo isso em função de um dia materializar o que só existe dentro de nós.

Do mesmo modo, precisamos saber que alguns desses sonhos jamais serão realizados, não por falta de vontade, mas simplesmente, por que a vida traçou caminhos próprios que fez com que passássemos a ter outros sonhos, igualmente verdadeiros e felizes. Reconhecer isso tira de nós a frustração causada pela não realização de algo antes desejado.

Uma vida sem sonhos é apenas sobrevivência. Passando por um dia de cada vez, repetindo ações, sem planos, vontades e propósitos. Os sonhos dão um tempero, sem eles ficamos em uma vida morna, nossos sorrisos ficam sem graça, nosso bom dia se torna indiferente e, nossas relações superficiais.

“Tenho em mim todos os sonhos do mundo.”

Fernando Pessoa

Cabe a cada um escolher como vive. Podemos nos esforçar para realizar os nossos sonhos e, à medida que realizamos, passaremos a desejar outros ou, podemos simplesmente, torcer para as coisas darem certo. Independentemente da dificuldade que cada pessoa passa, devemos sempre nos lembrar que o plantio é opcional mas, a colheita é obrigatória. Vamos plantar sonhos só assim colheremos resultados!

Matrix

O que é melhor? A busca pela verdade e conhecimento ou o conforto da ignorância? Para aqueles que já assistiram o filme Matrix alguma vez, talvez essa pergunta seja familiar e até é possível visualizar uma certa cena na cabeça. Aquela, na qual Morfeu oferece a Neo a opção de escolher entre tomar a pílula azul ou, a pílula vermelha. A decisão tomada ali, mudaria todo o curso da história para o personagem.

matrix
matrix: já fez a sua opção?

Essa pergunta é antiga, originada na antiguidade a partir do mito da caverna (de Platão). Mesmo sendo tão antiga, existindo referências em diversos filmes e exemplos no mundo real, por que parece que ainda não sabemos a resposta para essa pergunta? Ou teimamos em fazer qualquer outra coisa que não a busca pela verdade?

Talvez porque nem sempre a verdade edifique, em alguns casos, ela destrói e machuca antes de servir como combustível e impulso para crescermos em qualquer âmbito de nossas vidas. É inegável a vontade natural que temos em ficarmos confortáveis mas devemos nos questionar o seguinte: “Até que ponto nossa inércia e falta de atitude frente às diversas situações refletem na vida dos demais ao nosso redor?”

O homem enquanto ser, evoluiu graças à busca contínua pelo conhecimento. Por meio dessa busca, tantas tecnologias foram criadas, produtos, serviços, o conceito de moeda, construções, técnicas, monumentos, cidades, etc. Bem como, toda a falha humana que também é consequência dessa busca excessiva por conhecimento, poder e dominação.

O conforto não é ruim, longe disso, mas precisamos entender que não é possível ficarmos confortáveis diante de situações incomuns e que causam tanto sofrimento, dor e perdas a quem quer que seja. Temos vários exemplos ao longo da história da humanidade que poderíamos usar como espelho para aprendermos e melhorarmos cada vez mais. Porém, muito pelo contrário, acabamos por regredir a passos largos, à medida que desejamos ficar cada vez mais confortáveis onde estamos.

Caos

O caos constrói! Mostra as vulnerabilidades, faz com que tenhamos que tomar decisões atípicas e muitas vezes não pensadas anteriormente, requer nossa adaptação para cenários contrastantes com a nossa realidade, nos joga para o alto e nos tira da base confortável que nos sustenta. Cria opcionalidades que se não estivermos preparados, limita o nosso crescimento, deixando-nos em um limbo até que tudo volte à normalidade ou, quase isso.

caos
caos: O bater das asas de uma borboleta num extremo do globo terrestre, pode provocar uma tormenta no outro extremo no espaço de tempo de semanas.

Em meio à crise de coronavírus que se espalhou pelo mundo, tivemos nossa rotina alterada, formas de comunicação se expandiram tornando-se cada vez mais necessárias, cresceu em nós uma vontade de estarmos juntos e presentes em todos os momentos, encontros, assistindo a lives, vídeo-chamadas, etc. Mas por quê só agora? Apenas pela ameaça real cada dia maior?

O mais confuso disso tudo é ver que uma doença (uma coisa ruim, o caos) faz com que sintamos a necessidade de fazer coisas que já podíamos fazer normalmente, mas agora (como estamos com a nossa liberdade limitada a um local físico) ganham uma importância nunca vista antes. Talvez, as redes sociais devem estar em seu auge de acesso e consumo de conteúdo desde o período em que foram lançadas.

Independente do caos pelo qual a gente esteja passando é preciso que usemos todo esse aprendizado para que nos tornemos pessoas melhores depois que tudo isso passar. Não apenas por medo de ficarmos presos ou, termos qualquer direito restringido novamente e, sim, porque somos seres humanos e precisamos uns dos outros, em nossa plenitude e tudo que isso representa.

“O caos é apenas uma ordem a decifrar”

José Saramago

Até lá, podemos descobrir outras alegrias (sim, em casa) que são tão importantes e gratificantes quanto àquela live “imperdível”. Não devemos esperar o caos passar para voltarmos a sermos felizes, podemos criar outras rotinas, aprender, experimentar, brincar. A felicidade não está no ponto de chegada, está no caminho, todo mundo sabe disso!

Rascunho

Um rascunho geralmente pode ser interpretado como “algo anterior a um resultado definitivo”, “um esboço de qualquer escrito”. É um molde que precisa de ajustes para se tornar aquilo que de fato se deseja. Para construir uma casa, por exemplo, os engenheiros e arquitetos utilizam uma planta-baixa para visualizar o resultado antes mesmo de ele existir.

Fazer um rascunho numa agenda ou, pedaço de papel que seja, é importante, pois, nos ajuda a visualizar as ideias, os projetos, desejos, sonhos e, metas a serem cumpridas. E, cabe unicamente a nós, a ação de torná-los reais. Um sonho numa folha de papel é como um pássaro em uma gaiola que tem potencial de voar alto, porém, apenas canta, para poucos ou, nem isso.

Como seres humanos, somos criaturas que estamos em constante processo de melhoria. A cada primavera, retocamos um traço aqui e outro ali, colorimos um pedaço que faltava e vamos nos aperfeiçoando cada vez mais. Só não é possível apagar pessoas de nossa vida como se fosse um rabisco qualquer. Aquele traço poderá ser contornado ou, retocado mas a sua marca sempre existirá.

rascunho: uso quantos lápis forem necessários
rascunho: use quantos lápis forem necessários

Nessa atividade de transformar um rascunho em obra-prima, passamos por várias etapas, aprendizados e, processos de amadurecimento que nos dão a clareza daquilo que desejamos realizar. Não demoremos muito para tirar do papel nossos projetos, nossas ideias, nossos desejos. A largada e a chegada são iguais para todos mas é durante o caminho que temos a chance de viver como desejamos.

“Não faça da tua vida um rascunho. Poderás não ter tempo de passá-la a limpo”

Mário Quintana

Jogo da vida

Se a nossa vida pudesse se representada por meio de um jogo, certamente o jogo da vida seria um jogo de tabuleiro. Mas não desses jogos como: resta 1, damas ou xadrez, nos quais o aprendizado e habilidades dos jogadores tem muito peso sobre o resultado. É fácil de perceber que as chances de um jogador experiente ganhar sobre um jogador iniciante são bem maiores, não é verdade?

E qual jogo tem mais a ver com a nossa percepção de vida? A resposta é: jogos com dados! Qualquer um deles, pokemon, detetive, banco imobiliário, jogo da vida (sim, tem até um jogo com esse nome). O motivo? Pelo simples fato de usarmos os dados para nos movimentarmos. Com isso, não temos controle total sobre o que pode acontecer, não depende unicamente de nossas decisões, tem uma variável que não pode ser controlada mas que nos afeta diretamente.

jogo da vida dados
jogo da vida: sorte e azar

Os dados representam a aleatoriedade. Aqui, tanto faz se você é um jogador experiente ou, está começando a jogar pela primeira vez. Todos começarão do mesmo ponto inicial. A sua experiência não valerá de nada no jogo se só tirar valores ruins nos dados. Talvez o jogador iniciante tenha mais “sorte” e até, consiga um resultado melhor.

No jogo da vida, porém, não começamos do mesmo ponto, alguns tem mais condições, outros nem tanto. Ainda que não seja possível controlar completamente a sorte ou, azar envolvido, pois são frutos de resultados anteriores que refletem em nós, podemos tomar decisões que influenciam diretamente nos resultados seguintes: pessoas com as quais nos relacionamentos, profissão que seguimos, sonhos a alcançar, problemas a resolver.

Cabe unicamente a nós escolhermos como jogar. Alguns vão trapacear, pulando algumas casas, usar um dado viciado para conseguir o resultado desejado, etc. Outros irão se esforçar para aprender e tentar fazer o seu melhor, jogando da melhor forma possível. Ainda que não zere esse jogo, tudo isso não será em vão, pois, servirá para a próxima rodada.