Desistir é uma opção

Desistir é uma palavra forte. Muitas pessoas não aceitam nem que possa fazer parte do seu vocabulário, dia a dia, dicionário, seja lá o que for. Acredito que isso aconteça devido à criação que temos durante toda nossa vida, da necessidade de sempre vencer, buscar nos esforçar para sermos “alguém”, termos sucesso a todo custo, excesso de rivalidade que às vezes nem sabemos contra quem estamos competindo, simplesmente vamos à luta e, alguns, ficam perdidos, sentindo-se sós, presos em sonhos e vontades que não são seus.

Mesmo se desistir é preciso continuar!

Tome como exemplo uma viagem, todo mundo diz que: “Viajar é bom, mas voltar pra casa é melhor”. Claro que não tem comparação uma desistência a um retorno de viagem, mas a ideia que quero passar é a de que regressar é bom. Desistir de uma atividade, trabalho, rotina, ou mesmo um projeto de vida, pode ser um regresso que a gente nem sabia que precisava, começar do zero nem sempre é do zero mesmo, a gente sempre carrega um pouco de experiências, aprendizados que nos tornam mais sábios (espera-se) do que antes.

A vida é uma só pra gente se limitar, em qualquer aspecto. Precisamos experimentar coisas novas para descobrir do que somos feitos de verdade, a que grupo pertencemos, quem queremos ter ao nosso lado, o que queremos realizar. Tudo isso requer que a gente desista de alguma coisa, e tudo bem. E falando de verdade… Ninguém liga quando você tem sucesso, ou alcança algo que almeja, mas se você falhar muitos aparecerão para julgar.

Cada um sabe o esforço que tem que fazer para se permitir começar de novo, existem custos envolvidos, sentimentos e relações que precisam ser considerados, e se desvencilhar desses laços é difícil. Como diz na música: “Cada escolha, uma renúncia”. Não precisamos ter tudo, mas sim saber desfrutar o melhor do que nós temos para enxergar o que queremos alcançar, no meio disso, teremos que desistir de alguns objetivos para realizar outros, e tudo bem!

Desistir de tudo às vezes é um caminho para um novo recomeçar…

Desistir é um suspiro profundo que nos permite recomeçar, tomar um fôlego para uma reflexão e nos mostrar onde erramos e o que podemos fazer para melhorar. A partir daí, cabe a cada um, decidir o que fazer com essa oportunidade. A vida não é uma linha reta de sucesso e prosperidade, cercada de flores. Tá mais pra uma esteira gigante que reveza a velocidade entre rápido e devagar, com diferentes obstáculos que se não nos derrubarem, nos ensinam, e se quisermos flores, teremos que plantar!

Banho de chuva

Banho de chuva é aquele desejo infantil que nunca é saciado. Quando crianças, desejamos a todo custo tomar um banho desses não é verdade? É aquele banho divertido, na rua com os amigos, correndo pra lá e pra cá, sem preocupação alguma. É o banho que alivia, e nos faz rir mesmo sem motivo, é um banho raro e difícil de ser tomado, mas quando aparece a oportunidade todos os nossos esforços se direcionam para aquele momento.

A vida é curta demais para não se tomar um banho de chuva!

Ao longo dos anos seguintes ao da nossa infância, esses banhos vão se tornando cada vez mais raros, ficamos mais cautelosos e passamos a ter medo da água que vem dos céus. Quando fica muito tempo sem chover, carrega para baixo partículas de sujeiras que flutuam no ar, quando o tempo está frio, podemos pegar um resfriado, ou uma gripe, e assim vai. Problemas e obstáculos aparecem nos impedindo de sorrir. Para as crianças um banho de chuva nunca é visto como algo ruim.

Devemos ter cuidado para não carregar esse sentimento a toda e qualquer situação de nossas vidas. Preocupações, dificuldades, tristezas, chateações sempre vão existir, e muitas vezes para aqueles problemas que parecem não ter solução, só precisamos dar um tempo, esfriar a cabeça, clarear as ideias, brincar um pouco, sentir a chuva cair sobre nossas cabeças, levar com ela as angústias e disfarçar nossas lágrimas.

Um banho de chuva levanta lama do chão, suja a roupa por completo, ensopa os sapatos. “Sapatos?” – Não! Banho de chuva se toma descalço, com os pés no chão, sentindo o cheiro de mato, cabelo bagunçado, corridas alegres, quedas e escorregões, com felicidade e risos espontâneos. Ao mesmo tempo que o banho de chuva lava a alma, tem a capacidade de regar bons pensamentos. Melhor que um banho de chuva – talvez – só um banho de cachoeira!

“Um banho de chuva pode ser mais eficaz do que anos de terapia “

Caroline Olias

Crescer nos tira muito mais do que possamos imaginar, vamos nos distanciando de quem nos protege, nos coloca em situações com as quais não sabemos lidar, nos desafia a sermos pessoas melhores quando nem sempre queremos, ou não temos forças para ser. Uma das poucas coisas que nos liga às lembranças do início de nossas vidas é um banho de chuva. Liberte a criança que existe em você, um banho de chuva pode ser mais eficaz do que anos de terapia!