Risco extremo, prazer máximo

Quem já fez algum esporte radical, ou qualquer outra atividade que envolva risco extremo, sabe que existe um momento que é muito importante para quem a realiza. Certamente, existe uma fração de tempo imaginária que determina e define o resultado desejado, ou o resultado catastrófico. Imagine um paraquedista segundos antes de saltar do avião, e segundos antes de puxar a cordinha que abre o paraquedas, é o instante máximo de tempo que vai fazer com que ele alcance o resultado de satisfação e euforia extrema, ou tristeza.

Só ganha quem está disposto a arriscar!

Muitas vezes passamos por momentos assim e não nos damos conta, claro que não com a mesma intensidade, ou noção de perigo iminente, mas que possibilitam os mesmos tipos de resultado: caso tomemos a decisão correta, obtemos êxito, caso contrário, ficamos com um sentimento de amargura por não ter conseguido fazer o que desejávamos naquele momento, ou ainda, muito pior, em alguns casos podemos perder muito mais do que estamos realmente dispostos.

Para chegar nesse ponto de decisão é preciso muito preparo e controle emocional. Mesmo tudo em perfeito equilíbrio acontecem adversidades para as quais nunca nos preparamos o suficiente e que só saberemos como lidar no instante em que elas aparecem.

Imagine um mergulhador iniciante que vai fazer o seu primeiro mergulho junto com um instrutor bem capacitado e preparado em águas até então calmas e sem histórico de ataques, legal né? E se do nada aparecer um tubarão? Como cada um vai lidar com a situação? Não sabemos. Entenda, mesmo com todo o preparo do mundo, momentos adversos que promovem satisfação têm junto de si instantes de risco máximo que não sabemos como lidar quando acontecem.

Esse único instante carrega consigo não só uma vontade momentânea mas, toda uma bagagem de sonhos, desejos, esforços, renúncias em prol de algo maior, algo que nos permitirá alcançar níveis maiores de felicidade que só são possíveis de serem vividas após a transposição desse momento. Quando isso não ocorre, o acúmulo de desejos pode se tornar um acúmulo de frustrações e arrependimentos que nos deixam ansiosos, tiram o sono e, nossa paz.

Como é de conhecimento de todos “UMA OPORTUNIDADE PERDIDA NUNCA VOLTA”. Aqui oportunidade pode ser o que a pessoa julgar melhor para si, a realização de um sonho, sensação de adrenalina ao extremo, uma felicidade sem tamanho, um objetivo maior do que todos. E ali, bem no canto está presente o risco máximo daquele instante, pronto para ser testado, passar por ele nos deixa mais perto do que tanto desejamos.

Seja importante

Tem um livro do professor Mário Sérgio Cortella chamado “Viver em paz para morrer em paz”, e lá ele faz um questionamento muito válido para todos nós, a pergunta é:

” – Se você não existisse, que falta faria?”

Quando a gente lê pela primeira vez, talvez a importância e profundidade dessa pergunta passem desapercebidos, mas à medida que os anos vão passando, os objetivos vão sendo alcançados, outros sendo definidos, prioridades e relacionamentos sendo revistos, a gente se dá conta que naturalmente pensamos dessa maneira, alguns passam a temer a morte, mas não nos preocupamos com a nossa importância na vida das pessoas, apenas com a nossa partida.

Importe-se com os outros e serás importante!

Morrer todo mundo vai, devemos priorizar as coisas que temos poder de decisão e ação direta. Precisamos perceber as coisas com as quais devemos gastar tempo: relações, ensinamentos que queremos passar aos nossos filhos, momentos alegres e de comemoração com pessoas próximas. Tudo isso acumulado ao longo dos anos gera lembranças e nos dá um sentimento de nostalgia de uma época em que, pelo menos naquele retrato do tempo, a felicidade existia.

Não devemos nos preocupar com nossa morte, mas sim com nossa importância. Quem é importante faz falta, fica sempre na memória e no coração, é incorporado e se eterniza junto àqueles que permanecem.

A palavra importante tem sua origem no Latim importans, de importare, “ser significante em”, originalmente “trazer para”, formado por in-, “em” + portare, “levar, carregar”. E como fazer para se tornar importante? A resposta é: importando-se com os outros, com as palavras ditas nos momentos difíceis, nos risos partilhados em momentos de alegria, nos ensinamentos passados adiante, no companheirismo e cuidados quando necessário.

À propósito, ser importante não é o mesmo que ser famoso. Existem pessoas importantes que não são famosas – trabalhadores, pais, mães, filhos, estudantes, assim como, existem pessoas famosas que não tem nenhuma importância para você. Isso é muito nítido nos dias de hoje com tanta exposição e compartilhamento de tudo a todo instante, muitas vezes, aplaudimos, idolatramos e ficamos cegos ao ponto de esquecer nossas relações pessoais e momentos que verdadeiramente agregam em nossas vidas.

E mais, não precisa estar junto a todo instante querendo preencher todos os momentos da vida das pessoas, olha o exagero. Tem pessoas que nos alegram com a sua ausência, outras só de lembrar do jeito, outras pessoas já estão mortas, mas não sabem disso, já não amam, não trabalham, não sentem que tem um propósito maior de vida, apenas passam pelos dias… É como já foi dito: “O homem começa a morrer na idade em que perde o entusiasmo.”

Aprende a viver bem, e bem saberás morrer.

confúcio

Se vamos morrer com toda a certeza, então vamos fazer a máximo possível para termos a vida dos nossos sonhos, sendo importantes para nós – num primeiro momento – e, em seguida, nos tornarmos importantes para aqueles que queremos bem. Existe vida mais fácil, vida melhor, vida mais rica, mas de nada adianta se não estivermos em paz conosco, não pudermos nos eternizar na vida das pessoas e, tomar uma taça de vinho no fim do dia. Sejamos importantes!

Realize os seus desejos

Viver, dependendo do local onde se está, parece cada dia uma tarefa mais difícil. Estamos cercados de problemas dos mais variados tipos: sociais, financeiros, políticos, pessoais… E nessa imensidão de problemas, às vezes, não nos permitimos viver as coisas que desejamos para nós. É totalmente compreensível, chega uma hora que a gente cansa e não aguenta mais nadar contra a correnteza.

Neste cenário, eventualmente, acabamos nos deixando levar por sonhos e vontades de outras pessoas, podendo ser familiares, ou os chamados “influenciadores”. Buscamos conhecimento, queremos mudar nossa rotina, nossos hábitos e costumes de uma hora para outra, com muita empolgação, mas muitas vezes, sem a motivação necessária que nos faça permanecer nesse novo caminho. Compramos uma ideia mas, muitas vezes, não plantamos a semente da mudança dentro de nós.

Entenda, não digo que isso é ruim, mas precisamos ter a certeza de que essa é a mudança que queremos, ou se estamos apenas animados com uma possibilidade que nunca passou antes pelas nossas cabeças. O ponto de reflexão aqui, é a incorporação de uma vontade maior que nunca foi nossa. A partir daí, passamos a desejar objetivos e buscar metas para satisfazer uma vontade adquirida de terceiros, e não nossa de fato, entende?

Qual o problema disso? As consequências que virão serão responsabilidades nossas. Mudanças de objetivos, requerem mudanças de atitudes, de pensar, posicionamentos, comportamento e aos poucos, nos vemos cercado de obrigações para cumprir achando que isso nos levará onde desejamos. Na verdade, a gente precisa identificar em nós, o que nos faz bem e priorizar as atitudes, maneiras de pensar, planejar os objetivos para aumentar a nossa satisfação. Por mais difícil que possa parecer, funciona ;D

Não viva de sonhos, tenha capacidade própria de realizar todos os seus desejos.

E por que isso acontece? É aquela história: a grama do vizinho é mais verde. Desejar o que é do outro parece mais fácil e melhor. Parece que já vem pronto com tudo o que precisamos. É mais convidativo ao sentimento de euforia, alegria instantânea, nos dá sensações que nos fazem lembrar de como era quando jovens e libertos, é animador… Acredito que doses moderadas desse sentimento nos propicia um gás extra, além do necessário, pode provocar frustrações e arrependimentos.