Risco extremo, prazer máximo

Quem já fez algum esporte radical, ou qualquer outra atividade que envolva risco extremo, sabe que existe um momento que é muito importante para quem a realiza. Certamente, existe uma fração de tempo imaginária que determina e define o resultado desejado, ou o resultado catastrófico. Imagine um paraquedista segundos antes de saltar do avião, e segundos antes de puxar a cordinha que abre o paraquedas, é o instante máximo de tempo que vai fazer com que ele alcance o resultado de satisfação e euforia extrema, ou tristeza.

Só ganha quem está disposto a arriscar!

Muitas vezes passamos por momentos assim e não nos damos conta, claro que não com a mesma intensidade, ou noção de perigo iminente, mas que possibilitam os mesmos tipos de resultado: caso tomemos a decisão correta, obtemos êxito, caso contrário, ficamos com um sentimento de amargura por não ter conseguido fazer o que desejávamos naquele momento, ou ainda, muito pior, em alguns casos podemos perder muito mais do que estamos realmente dispostos.

Para chegar nesse ponto de decisão é preciso muito preparo e controle emocional. Mesmo tudo em perfeito equilíbrio acontecem adversidades para as quais nunca nos preparamos o suficiente e que só saberemos como lidar no instante em que elas aparecem.

Imagine um mergulhador iniciante que vai fazer o seu primeiro mergulho junto com um instrutor bem capacitado e preparado em águas até então calmas e sem histórico de ataques, legal né? E se do nada aparecer um tubarão? Como cada um vai lidar com a situação? Não sabemos. Entenda, mesmo com todo o preparo do mundo, momentos adversos que promovem satisfação têm junto de si instantes de risco máximo que não sabemos como lidar quando acontecem.

Esse único instante carrega consigo não só uma vontade momentânea mas, toda uma bagagem de sonhos, desejos, esforços, renúncias em prol de algo maior, algo que nos permitirá alcançar níveis maiores de felicidade que só são possíveis de serem vividas após a transposição desse momento. Quando isso não ocorre, o acúmulo de desejos pode se tornar um acúmulo de frustrações e arrependimentos que nos deixam ansiosos, tiram o sono e, nossa paz.

Como é de conhecimento de todos “UMA OPORTUNIDADE PERDIDA NUNCA VOLTA”. Aqui oportunidade pode ser o que a pessoa julgar melhor para si, a realização de um sonho, sensação de adrenalina ao extremo, uma felicidade sem tamanho, um objetivo maior do que todos. E ali, bem no canto está presente o risco máximo daquele instante, pronto para ser testado, passar por ele nos deixa mais perto do que tanto desejamos.

Recomeço

Recomeço é uma palavra formada pelo processo conhecido na língua portuguesa como justaposição. Nele, juntamos o prefixo de origem latina “re” com a palavra “começo”, derivação do verbo começar. O prefixo utilizado apresenta três significados que podem variar dependendo em qual palavra é utilizado: 1) repetição, 2) reforço e 3) retrocesso, praticamente a mesma coisa.

Por mais longo que o caminho seja, ele sempre poderá ser percorrido!

Não que seja necessário saber o que cada palavra quer dizer, mas quando a gente conhece o que está por trás, consegue perceber o que precisa melhorar. Por exemplo, uma pessoa perde o emprego – por algum motivo desconhecido – e se vê na necessidade de recomeçar. Não basta começar a fazer algo novo sem refletir sobre o motivo que a fez perder o emprego, ou ainda, se existe uma característica individual que dificulte esse processo, ou o que é preciso fazer para contornar a situação externa.

Recomeçar exige de nós uma reflexão sobre quais aspectos devemos melhorar e que atitudes devemos evitar!

Antes de recomeçar – independente de onde for ou por qualquer razão que seja – precisamos ser capazes de identificar as ações que nos levaram a repetir tudo novamente, o porquê de passar por um ponto que já passamos antes. Muitos não compreendem essa necessidade e, simplesmente, estagnam, não conseguem se recolocar ou, voltar para o jogo por muitas vezes não aceitarem que perder faz parte do processo para ganhar.

Nunca recomeçamos do zero, em cada tentativa existe uma acumulação de conhecimento, experiências, momentos, e decisões que tomamos. Toda essa “bagagem” pode ser utilizada para determinar novos aprendizados e pontos de reflexão baseado em tudo o que foi visto. Vale lembrar que recomeçar não é garantia nenhuma de sucesso, mas certamente àqueles que obtiveram o sucesso são aqueles que se propuseram a recomeçar.

Todo recomeço é uma segunda chance que nos é dada para que possamos melhorar em algum aspecto de nossa vida. Ninguém nasceu para ser menos do que pode oferecer ao mundo, e uma prova disso é que todo dia nós temos uma chance para recomeçar. Cabe a cada um identificar o que é preciso fazer e, aqui, não importa em que momento parou, recomeçar é dar uma nova chance a si mesmo!

Risco

Quando ouvimos a palavra risco, de imediato, associamos a alguma coisa ruim. Por exemplo, risco de ser assaltado, risco de morte, risco de perder dinheiro, etc. Por definição, o significado da palavra risco está ligado à probabilidade de alguma coisa acontecer, seja ela boa ou ruim. Nós que por algum motivo de autopreservação, medo do desconhecido ou, medo de errar, relacionamos apenas a perigo iminente, ameça.

Arrisque-se e terás a chance de ganhar!

Essa ideia é totalmente aceitável uma vez que o desconhecido nos desperta o cuidado, faz com que redobremos nossa atenção para situações em apresentem algum tipo de risco, como andar por uma rua desconhecida à noite. Embora em outros momentos, nos arriscamos em situações nas quais o risco também está presente, como ir para uma balada, beber apenas duas cervejas e, em seguida, dirigir. São situações diferentes que envolvem risco, porém, temos comportamentos diferentes, por que será!?

Dando ênfase ao significado da palavra, podemos simplesmente associar risco às chances que nos aparecem quando nos dispomos a fazer além do que podemos. Quais são as chances que temos de ficar rico? Se apostarmos na mega sena é de 1 em 50 milhões. Se você nunca jogou, suas chances são 100% menor do que alguém que joga, ou seja, se não fizermos nada para nos expormos às chances que nos aparecem, diminuímos nossas probabilidades de obter sucesso.

E assim acontece em qualquer aspecto de nossas vidas, no trabalho, nos projetos que não realizamos, nos sonhos que deixamos anotados em algum pedaço de papel, nas relações que mereciam mais de nós. Quando não fazemos o que é preciso para chegar onde desejamos, corremos o risco de conseguir justamente isso, nada. Mas existe também a possibilidade de tudo dar certo.

Assumir riscos nos permite descartar alternativas que estão em nossa mente e que de alguma forma seriam oportunidades perdidas se nada fizéssemos. Correr riscos significa entrar no jogo e estar disposto a perder um pouco para obter um ganho muito maior, nada vem de graça e é preciso estar disposto a sentir medo, assumir riscos, perder e tentar novamente para alcançar nossos objetivos.

“É necessário correr riscos, seguir alguns caminhos e abandonar outros. Ninguém é capaz de escolher sem medo”

Paulo coelho

Lacunas

Lacunas são espaços vazios, reais ou imaginários e, podem representar uma falha ou, ainda, ausência de alguma coisa que nos faz falta. As lacunas existem única e exclusivamente para serem fechadas, cobertas com algo que seja forte o suficiente a ponto de não permitir que outra fissura apareça no lugar. Elas não podem ser esquecidas ou, simplesmente deixadas de lado, se por um acaso isso acontecer, permanecerão ali, no canto, mas estarão sempre presentes.

lacunas
As lacunas em nossas vidas podem nos derrubar ou, nos engrandecer.

Mesmo uma lacuna sendo um espaço pequeno que foi negligenciado e deixado de lado, pode impactar negativamente conforme o nosso crescimento. Imagine uma casa com uma parede que apresenta uma lacuna entre suas camadas, essa mesma lacuna representa um perigo bem maior se existir em um prédio de cem andares não é verdade!? As lacunas que não são resolvidas não crescem junto conosco mas, nos acompanham junto com as consequências.

Do mesmo modo que essas lacunas indicam um espaço vazio em nossas vidas, elas servem para nos mostrar o que é preciso fazer para que as coisas deem certo. Às vezes, nossos planos não saem como o esperado, nos vemos presos em uma situação para a qual não nos preparamos, então cria-se uma lacuna, que quando for devidamente fechada nos proporcionará um crescimento pessoal igualmente prazeroso. Assim como ela corrói, ela edifica!

Sempre temos a opção de fechar as lacunas que eventualmente aparecem no meio do caminho, com esforço, estudo, empenho pessoal, amadurecimento ou, simplesmente, aceitação. Isso nos fortalece, assim, seremos os primeiros a usufruir dos benefícios! Por consequência, as pessoas que estão conosco. Para que possamos mudar o ambiente ao nosso redor, precisamos primeiramente mudar a nós mesmos e, isso inclui fechar as lacunas que impedem o nosso desenvolvimento.

Desenvolvimento pessoal

Dinheiro, sucesso, sonhos realizados, trabalho ideal, vontades e luxos ao alcance das mãos e sem preocupações diárias. Legal né? Muitos de nós buscamos isso, totalmente aceitável. Talvez estejamos até com os objetivos certos em mente, porém, com as motivações erradas. O que muitas vezes deixamos de lado é justamente o nosso desenvolvimento pessoal, algo muito antes de qualquer profissão dos sonhos, sucesso ou, reconhecimento em uma determinada área.

O seu desenvolvimento pessoal pode ter levar onde você deseja chegar!

O que existe em muitas pessoas é a falta de vontade em se capacitar e, não estou falando apenas de cursos técnicos, profissionais ou, acadêmicos e, sim, crescer enquanto indivíduos, saber um pouquinho mais de coisas novas de cada vez. É necessário que estejamos em constante evolução, melhorando nossas habilidades e descobrindo outras. Esse processo de descoberta e aprendizagem estimula desde a criação de sinapses no cérebro até promover melhorias em nosso meio.

A corrida diária, compromissos, imprevistos, reuniões, trabalho, etc, tomam muito do nosso tempo e quanto conseguimos algum, pensamos primeiramente no descanso, ficar sossegado, em paz. Mas talvez a gente se encontre em meio a essa confusão contínua justamente por não investirmos tempo em nossa melhoria como pessoa. Muitas vezes dizemos que queremos aquilo que está a nosso alcance quando na verdade queremos mais, porém, acabamos nos contentando. Isso nos limita e nos deixa preso em um círculo vicioso de satisfação imediata.

Seu nível de sucesso raramente excederá seu nível de desenvolvimento pessoal, pois o sucesso é algo que você atrai pela pessoa em que se torna

Jim Rohn

O crescimento acontece quando saímos um pouco de cada vez da nossa zona de conforto, aquele espaço que nos deixa seguros e onde temos tudo sob controle. É bom, só isso! Quando nos dispomos a aumentar essa área segura, realizamos novos projetos, temos novas ideias, conhecemos outras pessoas, desenvolvemos novas habilidades e adquirimos novos conhecimentos, tudo isso somado, abre um mundo de possibilidades para quem o pratica!

Autossabotagem

Autossabotagem pode ser definida como a criação de obstáculos e dificuldades – de forma consciente ou não – que nos atrapalham na hora de realizar tarefas ou conquistar objetivos. Muitas vezes fracassamos em nossas atividades profissionais, pessoais e até mesmo de negócios não por ignorância ou incompetência, mas para realizar um desejo inconsciente de fracassar e contínuo por uma satisfação corretiva.

Autossabotagem é como abrir a porta do carro numa via expressa com tráfego intenso

Em alguns casos, essa autossabotagem acontece de maneira natural, totalmente inconsciente ou, falta de experiência. Nesse caso, a falha faz parte do processo de aprendizado. Por outro lado, existem ações feitas de forma consciente que achamos que fazem parte de nossas características individuais, essas são as mais difíceis de perceber. É aquela velha história de quando alguém diz que tem “temperamento forte” e, na verdade é apenas falta de educação mesmo.

Outro fator que pode contribuir para a nossa autodestruição tem a ver com a bagagem mental que carregamos desde a infância. Isso pode impedir o sucesso de uma pessoa muito mais do que ela imagina. Precisamos identificar esses pontos fracos que nos fazem perder oportunidades, extrapolar nossos limites e, arriscar mais do que podemos suportar.

Autossabotagem nos faz errar em coisas simples

A maioria das pessoas passa a vida inteira cometendo os mesmos erros, algumas chegam aos 60 fazendo as mesmas burrices que faziam quando eram jovens e invencíveis de 20 anos. Por exemplo, na segunda-feira reclamam do trabalho, de acordar cedo, da rotina, de tudo… e se dispõem a viver da mesma maneira continuamente se contentando com o que é possível fazer, esperando por uma satisfação momentânea, ou seja, sabotam o próprio futuro em detrimento da conformidade com o presente.

Outras pessoas estruturam a vida para serem bem-sucedidas numa área, enquanto desenvolvem conflitos internos em outras, o desequilíbrio é até certo ponto saudável. Poucas pessoas amadurecem e superam seus problemas, por mais difíceis que eles sejam. Quem não aprende com o passado está condenado a repetir os mesmos erros no futuro.

Perdas

Qual foi a maior perda que você já teve? Não sei se essa é uma pergunta frequente, ou talvez, nem passe pela nossa cabeça saber o quanto perdemos algo ou, alguém. É até compreensível ignorarmos e evitarmos falar no medo de perder, isso mexe com algo em nós que não sabemos ao certo do que se trata. Todos vislumbramos à linha de chegada, mas não nos preparamos para as perdas no meio do caminho.

Por exemplo, se temos uma perda financeira em qualquer tipo de investimento, o primeiro pensamento que vem a nossa cabeça é de desistir daquilo e partir para outra. Passamos a falar mal e, transmitimos uma ideia errada para outras pessoas. Muitas vezes com essa atitude deixamos de aprender algo novo, entender em que ponto nós erramos e quais comportamentos precisamos melhorar para obter êxito.

As perdas fazem com que pensemos melhor em como estamos agindo

Existem vários momentos de perda ao longo da vida. Perda de pessoas que amamos, perda de dinheiro, perda da fé e, em alguns casos, perda até mesmo da vontade de viver. Por mais dolorosa que seja uma perda, ela pode vir seguida de um pouco de sabedoria que com certeza nos engradece e pode nos ensinar muito.

Essa sabedoria quando bem aplicada nos permite perceber onde e por que erramos, se é necessário que adotemos uma estratégia mais adequada para lidar com projetos, se precisaremos mudar nosso comportamento e atitude ao lidarmos com algumas pessoas. Devemos entender que perder faz parte do jogo, todas as escolhas têm perdas.

Planejamos viagens, festas, casa dos sonhos, casamentos etc., coisas boas para se pensar. Cada uma dessas escolhas implicará em algum tipo de perda ou, renúncia. Devemos ser sinceros com nós mesmos e aceitar que às vezes nem tudo sai como o planejado, o idealizado, o sonhado mas nem por isso a vida não merece o nosso melhor!

Matrix

O que é melhor? A busca pela verdade e conhecimento ou o conforto da ignorância? Para aqueles que já assistiram o filme Matrix alguma vez, talvez essa pergunta seja familiar e até é possível visualizar uma certa cena na cabeça. Aquela, na qual Morfeu oferece a Neo a opção de escolher entre tomar a pílula azul ou, a pílula vermelha. A decisão tomada ali, mudaria todo o curso da história para o personagem.

matrix
matrix: já fez a sua opção?

Essa pergunta é antiga, originada na antiguidade a partir do mito da caverna (de Platão). Mesmo sendo tão antiga, existindo referências em diversos filmes e exemplos no mundo real, por que parece que ainda não sabemos a resposta para essa pergunta? Ou teimamos em fazer qualquer outra coisa que não a busca pela verdade?

Talvez porque nem sempre a verdade edifique, em alguns casos, ela destrói e machuca antes de servir como combustível e impulso para crescermos em qualquer âmbito de nossas vidas. É inegável a vontade natural que temos em ficarmos confortáveis mas devemos nos questionar o seguinte: “Até que ponto nossa inércia e falta de atitude frente às diversas situações refletem na vida dos demais ao nosso redor?”

O homem enquanto ser, evoluiu graças à busca contínua pelo conhecimento. Por meio dessa busca, tantas tecnologias foram criadas, produtos, serviços, o conceito de moeda, construções, técnicas, monumentos, cidades, etc. Bem como, toda a falha humana que também é consequência dessa busca excessiva por conhecimento, poder e dominação.

O conforto não é ruim, longe disso, mas precisamos entender que não é possível ficarmos confortáveis diante de situações incomuns e que causam tanto sofrimento, dor e perdas a quem quer que seja. Temos vários exemplos ao longo da história da humanidade que poderíamos usar como espelho para aprendermos e melhorarmos cada vez mais. Porém, muito pelo contrário, acabamos por regredir a passos largos, à medida que desejamos ficar cada vez mais confortáveis onde estamos.

Caos

O caos constrói! Mostra as vulnerabilidades, faz com que tenhamos que tomar decisões atípicas e muitas vezes não pensadas anteriormente, requer nossa adaptação para cenários contrastantes com a nossa realidade, nos joga para o alto e nos tira da base confortável que nos sustenta. Cria opcionalidades que se não estivermos preparados, limita o nosso crescimento, deixando-nos em um limbo até que tudo volte à normalidade ou, quase isso.

caos
caos: O bater das asas de uma borboleta num extremo do globo terrestre, pode provocar uma tormenta no outro extremo no espaço de tempo de semanas.

Em meio à crise de coronavírus que se espalhou pelo mundo, tivemos nossa rotina alterada, formas de comunicação se expandiram tornando-se cada vez mais necessárias, cresceu em nós uma vontade de estarmos juntos e presentes em todos os momentos, encontros, assistindo a lives, vídeo-chamadas, etc. Mas por quê só agora? Apenas pela ameaça real cada dia maior?

O mais confuso disso tudo é ver que uma doença (uma coisa ruim, o caos) faz com que sintamos a necessidade de fazer coisas que já podíamos fazer normalmente, mas agora (como estamos com a nossa liberdade limitada a um local físico) ganham uma importância nunca vista antes. Talvez, as redes sociais devem estar em seu auge de acesso e consumo de conteúdo desde o período em que foram lançadas.

Independente do caos pelo qual a gente esteja passando é preciso que usemos todo esse aprendizado para que nos tornemos pessoas melhores depois que tudo isso passar. Não apenas por medo de ficarmos presos ou, termos qualquer direito restringido novamente e, sim, porque somos seres humanos e precisamos uns dos outros, em nossa plenitude e tudo que isso representa.

“O caos é apenas uma ordem a decifrar”

José Saramago

Até lá, podemos descobrir outras alegrias (sim, em casa) que são tão importantes e gratificantes quanto àquela live “imperdível”. Não devemos esperar o caos passar para voltarmos a sermos felizes, podemos criar outras rotinas, aprender, experimentar, brincar. A felicidade não está no ponto de chegada, está no caminho, todo mundo sabe disso!

Rascunho

Um rascunho geralmente pode ser interpretado como “algo anterior a um resultado definitivo”, “um esboço de qualquer escrito”. É um molde que precisa de ajustes para se tornar aquilo que de fato se deseja. Para construir uma casa, por exemplo, os engenheiros e arquitetos utilizam uma planta-baixa para visualizar o resultado antes mesmo de ele existir.

Fazer um rascunho numa agenda ou, pedaço de papel que seja, é importante, pois, nos ajuda a visualizar as ideias, os projetos, desejos, sonhos e, metas a serem cumpridas. E, cabe unicamente a nós, a ação de torná-los reais. Um sonho numa folha de papel é como um pássaro em uma gaiola que tem potencial de voar alto, porém, apenas canta, para poucos ou, nem isso.

Como seres humanos, somos criaturas que estamos em constante processo de melhoria. A cada primavera, retocamos um traço aqui e outro ali, colorimos um pedaço que faltava e vamos nos aperfeiçoando cada vez mais. Só não é possível apagar pessoas de nossa vida como se fosse um rabisco qualquer. Aquele traço poderá ser contornado ou, retocado mas a sua marca sempre existirá.

rascunho: uso quantos lápis forem necessários
rascunho: use quantos lápis forem necessários

Nessa atividade de transformar um rascunho em obra-prima, passamos por várias etapas, aprendizados e, processos de amadurecimento que nos dão a clareza daquilo que desejamos realizar. Não demoremos muito para tirar do papel nossos projetos, nossas ideias, nossos desejos. A largada e a chegada são iguais para todos mas é durante o caminho que temos a chance de viver como desejamos.

“Não faça da tua vida um rascunho. Poderás não ter tempo de passá-la a limpo”

Mário Quintana