Seja a paz

Paz pode ser definida como: “estado de calma, ou tranquilidade, ausência de perturbações…” Mas como a gente pode atingir um estado de paz nos dias de hoje? Onde cada vez mais temos males de todos os lados, com o vizinho, por motivos políticos, desagrado com comportamentos adversos, e tristeza diante de situação extremas pelas quais passamos? É complicado esperar paz de um meio que só propaga conflitos e excessos com os quais não sabemos lidar.

Estar em paz é estar bem consigo mesmo.

Algumas pessoas recorrem à prática de atividades que as tranquilizam, ou ainda, exercícios físicos para extravasar a energia e conseguirem relaxar. Tudo isso funciona e é muito válido que façamos coisas que nos façam sentir bem. Afinal de contas, o mundo não liga para a sua dor, só você!

O budismo ensina que a paz vem de dentro da própria pessoa, e que tentar procurar fora é perca de tempo. Não devemos ocupar a nossa mente com bobagens nem desperdiçar nosso tempo em vão. Muitas preocupações iniciam por conta desses conflitos internos que não são administrados como deveriam, e quando ocorrem, podem causar ansiedade, tristeza sem motivo aparente, nervosismo, falta de ação diante da vida.

Para estarmos em paz com o todo, primeiramente, precisamos administrar nossos conflitos e medos internos de modo que fiquemos em paz. Isso permite que não nos percamos pelo caminho, ou a cabeça em momentos de aflição. Os momentos difíceis servem para nos fazer crescer. Nunca estaremos preparados para quando acontecerem, a dor que trazem e o sentimento de impotência sempre vão existir e, nessas horas só o que nos sustentará é a nossa paz!

Nem mesmo o seu pior inimigo pode machucá-lo tanto quanto seus próprios pensamentos.

Desequilíbrio

Geralmente pensamos que para ter uma vida plena e de sucesso precisamos ter tudo sob controle, em perfeita sintonia e num equilíbrio total. Este pensamento está certo, todavia, muitas vezes interpretamos a palavra equilíbrio de maneira inadequada e acabamos por entender o seu significado de maneira muito superficial. O equilíbrio em nossas vidas não se obtém no curto prazo mas sim, ao longo de vários anos de esforço e dedicação.

Por definição, equilíbrio é um substantivo masculino que significa “harmonia, estabilidade, solidez, aquilo que se distribui de maneira proporcional”. No sentido figurado, pode significar “prudência, moderação, domínio de si mesmo”. Na área da física equilíbrio é definido como “uma condição de um sistema em que as forças que sobre ele atuam compensam, anulando-se mutuamente”, outra definição igualmente válida é: “posição estável de um corpo, sem oscilações ou desvios”.

Des(equilíbrio)
Des(equilíbrio): parado completamente o surfista afunda

Com apenas esses significados é possível perceber que o equilíbrio por completo remete à estar parado, estagnado, não sofrer com interferências externas. Ora, ninguém progride estando onde está. O total equilíbrio em nossas vidas é conhecido como zona de conforto. Nessa área temos tudo sob controle, porém, sem um avanço que possa nos permitir aumentar nossa área de influência, atuação e prosperidade.

Não que não seja saudável estar em uma zona de conforto, porém, precisamos estar cientes que ela também nos limita! Deixamos muitas vezes de arriscar em novas atividades, vislumbrar projetos pessoais, obter novas experiências, etc. Os chineses têm um provérbio cheio da velha sabedoria do imutável Oriente: “Quem anda devagar vai longe”. Devemos agir igual ao equilibrista que estando sobre uma corda bamba precisa, eventualmente, se desequilibrar para chegar do outro lado.