Tic Tac

A cada manhã, somos agraciados com algo que é capaz de possibilitar uma grande quantidade de opções a cada um, o tempo. Entre tantas coisas que nos diferem enquanto pessoas, uma outra que podemos considerar é a maneira como cada um o utiliza, mais precisamente 86400 segundos. Apesar de ser totalmente neutro, parece que para uns o tempo passa mais rápido do que para outros, beneficia alguns e prejudica os demais. Será que é assim mesmo?

Diversos tempos reunidos em um mesmo instante

A capacidade humana de evoluir e se adaptar, o aprendizado necessário para que possamos crescer e fazer coisas novas, a maturidade para uma correta tomada de decisão diante de situações inesperadas, a confiança, a cura, o perdão… levam tempo para acontecer e levamos mais tempo ainda para compreender. Em oposição a nossa vontade natural de correr, o tempo parece simplesmente caminhar a passos lentos e despretensiosos, mas arrasta consigo quem não o leva em consideração.

A percepção de passagem do tempo fica mais rápida à medida que ele passa por nós. Por exemplo, quando somos um bebê de 2 anos de idade, 1 ano representa cinquenta por cento das nossas vidas, correto? Assim, conforme os anos passam, cada vez mais o mesmo período de tempo passa a representar uma quantia cada vez menor. Essa é uma explicação possível para aquele pensamento: “- Nossa, como o ano passou rápido!”. Não foi o ano que passou rápido, ele só representa um pouco menos do que antes.

Relacionando a passagem do tempo com a importância que damos a ele, entramos em uma relação inversa, ou seja, quanto menos ele representa diante do todo, mais queremos que ele seja importante. Acompanhamos o crescimento dos nossos filhos desde o início e, sempre falamos: “- Nossa, parece que foi ontem…”. E é verdade, a pouca representatividade de tamanho que o tempo vai adquirindo, influencia a nossa percepção da distância entre os acontecimentos.

O tempo passa para todos, mas não é igual para ninguém!

JP CASTRO

Não podemos simplesmente ignorar a ação do tempo em nossas vidas e, se assim o fizermos, ficaremos presos em um momento que já não existe mais, tudo passa e o tempo sabe bem disso. As pessoas dão valor diferente ao tempo que possuem, gastam como bem entendem e, mesmo não sendo possível medir de forma justa, ele é soberano. Não devemos desperdiçá-lo em vão, afinal, não teremos tempo para realizar todos os nossos projetos ou, dizer tudo a quem desejamos. A decisão sobre o proveito é individual, mas não se demore muito aqui, o tempo pode te levar pra longe depressa.

Sonhos

Os sonhos são uma extraordinária maneira do cérebro humano construir inúmeras possibilidades abstratas que nada mais são do que consequência de vontades desconhecidas, desejos esquecidos ou, objetivos desejados por nós em algum momento de nossas vidas. Proporcionam sensações e criam lembranças, muitas vezes, nunca vividas antes.

Todos nós podemos e devemos ter sonhos, dos mais variados tipos e intensidades. A partir deles é possível vislumbrar àquilo que desejamos com tanto afinco, serve de combustível que nos impulsiona. A partir deles, definimos metas a serem alcançadas, tudo isso em função de um dia materializar o que só existe dentro de nós.

Do mesmo modo, precisamos saber que alguns desses sonhos jamais serão realizados, não por falta de vontade, mas simplesmente, por que a vida traçou caminhos próprios que fez com que passássemos a ter outros sonhos, igualmente verdadeiros e felizes. Reconhecer isso tira de nós a frustração causada pela não realização de algo antes desejado.

Uma vida sem sonhos é apenas sobrevivência. Passando por um dia de cada vez, repetindo ações, sem planos, vontades e propósitos. Os sonhos dão um tempero, sem eles ficamos em uma vida morna, nossos sorrisos ficam sem graça, nosso bom dia se torna indiferente e, nossas relações superficiais.

“Tenho em mim todos os sonhos do mundo.”

Fernando Pessoa

Cabe a cada um escolher como vive. Podemos nos esforçar para realizar os nossos sonhos e, à medida que realizamos, passaremos a desejar outros ou, podemos simplesmente, torcer para as coisas darem certo. Independentemente da dificuldade que cada pessoa passa, devemos sempre nos lembrar que o plantio é opcional mas, a colheita é obrigatória. Vamos plantar sonhos só assim colheremos resultados!

Cansaço

Cada vez mais estamos ficando cada vez mais cansados. Cansados da rotina diária, cansados do excesso de responsabilidades e atividades, cansados de problemas que parecem muitas vezes sem solução, além é claro do cansaço físico. Porém, às vezes, o cansaço psicológico é igualmente prejudicial ou até mais e, não damos a devida atenção.

cansaço
Uma hora o cansaço derruba a todos nós!

A vida é feita de fases e para que possamos tirar o máximo proveito dela é preciso, obviamente, passar por cada uma das fases. Nesse meio tempo nos desgastamos devido aos aprendizados e dificuldades necessárias para que nos tornemos pessoas melhores, com mais conquistas e por ai vai. Isso tudo, uma hora cansa. Ficamos esgotamos de tal maneira que acabamos sem forças e desejamos apenas pular algum período da vida, desejamos dormir a acordar quando tudo isso tiver passado… mas, não é assim que a banda toca!

Muitos dizem que quem fala assim está “romantizando” o cansaço, pessoas assim desejam simplesmente passar por esse período exaustivo e ir direto para a fase da colheita, como se magicamente tudo fosse se resolver por conta própria, reclamam da fase atual, mas muitas vezes não demonstram vontade e preparação para a fase seguinte.

Esse cansaço que passa a ser nosso companheiro é fruto de um excesso de empenho, esperança e esforço realizados em algum momento anterior juntamente com frustrações repetitivas e faz com que fiquemos no mesmo lugar. Mais fácil seria se entendêssemos de uma vez por todas que isso tudo é natural. O final de semana só é desejado porque vem depois de uma semana longa de trabalho, as férias são queridas porque vêm depois de um período longo de trabalho e dedicação, ninguém precisa ser feliz o tempo todo, até felicidade em excesso uma hora cansa.

Abracadabra

Se uma criança dissesse que viu um cavalo voando, qual seria a sua reação?

Muito possivelmente acharia um absurdo, afinal, cavalo não voa! Afagaria a cabeça da criança e, no máximo, diria: ‘- Nossa! Que legal!’, mas no fundo você teria a plena convicção que aquilo não passava de imaginação. E se não fosse mentira? E se na verdade a percepção daquilo que encanta está nos olhos de quem vê?

abracadabra
Abracadabra: a magia acontece bem na frente dos seus olhos

Em algum momento da vida, durante o processo natural de amadurecimento, passamos a não enxergar o mundo com os olhos de uma criança mas sim com os olhos de adultos que agora somos. Com isso, deixamos passar alegrias e momentos únicos que só são possíveis serem capturados pelo simples ato de olhar. Ainda que isso seja bíblico, em 1 Coríntios 13:11 está escrito mais ou menos assim: “Quando eu era criança, pensava como criança, sentia e falava como criança. Quando cheguei à idade adulta deixei para trás as atitudes próprias das crianças.”, é preciso que de vez em quando passemos a olhar as coisas sob uma ótica diferente.

É notório que nos anos iniciais da vida de uma criança elas estão propensas a assimilar tudo mais rápido, aprendem novas línguas com uma facilidade extrema, o cérebro mais que dobra de tamanho na primeira infância e tudo isso faz com que elas se deslumbrem com coisas simples, pois tudo é novidade, um aprendizado imperdível e único. Um pirulito que ganham ou, ainda, uma borboleta voando sobre as flores a ponto de fazer com que corram ao seu encontro com um sorriso gostoso é suficiente para que por um instante fiquem cegas a ponto de concentrarem toda a sua felicidade naqueles ínfimos segundos.

À medida que crescemos perdemos a alegria natural de olhar e perceber as coisas ao nosso redor, tudo é imediato, instantâneo e, regrado seguindo o ponteiro do relógio. Não nos deixamos levar por bobagens e coisas simples, afinal, elas tiram a nossa concentração e não temos mais tempo para essas coisas de “criança”.

Ainda que difícil, quando adultos podemos ter esses instantes em que parece que ficamos presos em um tempo só nosso, concentrados em algo que nos cega por uma fração de segundos a ponto de não percebemos o mundo ao nosso redor, pois, todo nosso entusiasmo está direcionado a algo invisível para a maioria, algo que não é visível com os olhos de adulto. Quando vemos esse “algo” temos a certeza que estamos vendo com os olhos de uma criança, estaremos vendo com o coração.

Hiato…

Na língua portuguesa, hiato pode ser definido como o encontro de duas vogais que pertencem a sílabas diferentes. Na anatomia, é uma fenda ou abertura no corpo humano. Essa mesma palavra costuma ser utilizada quando artistas (geralmente no auge da carreira), sentem que precisam “dar um tempo”, dedicar-se a projetos pessoais ou, ainda, buscar novos desafios. 

hiato
O hiato permite pensar fora da caixa!

Muitas vezes em muitos momentos não nos damos conta mas nos encontramos em um completo hiato em nossa vida. Tudo é tão imediatista (igual ao preparo de macarrão instantâneo) que paramos de pensar em nossos projetos pessoais, deixamos de apreciar conversas, criar relações e experiências que nos engrandecem enquanto seres humanos e pode nos motivar cada vez mais dia após dia.  Quando percebemos estamos diante de pessoas que nos fazem sorrir simplesmente pelo olhar, nos deixam ansiosos só no pensar e isso nos deixam maravilhados.

E por que afinal, isso nos encanta tanto!?

Muitas vezes porque estamos imersos em um profundo hiato sem nos darmos conta. Esquecemos a sensação e da alegria de conversar com alguém (todos estão sempre atrasados), temos a disposição tanta tecnologia que nos conecta numa velocidade cada vez mais rápida, entretanto, faz com que sejamos como ilhas, cada um no seu quadrado. Certa vez alguém disse: “- Nenhum homem é uma ilha, isolado em si mesmo; todos são parte do continente, uma parte de um todo”. Trocamos prazeres simples como um jogo de xadrez, por likes e curtidas nas redes sociais.

É importante reconhecer a existência do hiato em nossas vidas. Ele nos faz refletir sobre diversos aspectos que nos circundam e que caminho estamos seguindo. Contudo, o mais importante é conseguir enxergá-lo a tempo (para aqueles que estão e não sabem) e perceber a evolução pela qual passamos para que assim possamos sair dele, fechar a fenda existente fruto de toda insatisfação e melhorarmos cada vez mais enquanto pessoas.