Mudança

Mudança é um processo frequente em nossas vidas, pelo menos deveria ser. Apesar de que em certos momentos ela parece ficar estagnada e simplesmente não apresentar nenhum sinal de alteração ou, modificação minima que seja em nosso cotidiano. Faça um esforço e tente lembrar de você na adolescência ou, há uns 10 anos, das palavras ditas que talvez hoje, não diria mais, dos desentendimentos decorrentes de momentos de estresse e, dos desejos deixados de lado.

Certamente, algo mudou em você do passado até hoje. Fazendo esse jogo mental conseguimos visualizar o quanto nós mudamos e o quanto, ao mesmo tempo, permanecemos os mesmos, mas em uma versão melhorada (se não está em sua melhor versão, reveja seus conceitos). Afinal, temos mais experiência, novas percepções sobre as coisas, aprendemos a lidar com situações desagradáveis, entre outras características e ensinamentos que começam a fazer parte de nós enquanto pessoas.

Toda mudança é resultado de um processo iniciado a partir de um gatilho que então abre um leque de possibilidades – desconhecidas – para quem sofre a mudança. Quanto antes entendermos que mudar faz parte da nossa essência enquanto ser humano, mais estaremos aptos a evoluir em todos os sentidos. Adaptações são necessárias para que possamos superar dificuldades e, alcançar novos objetivos. É aquela velha história, não dá pra esperar resultados diferentes fazendo as mesmas coisas.

A única coisa que não muda é que tudo muda…

heráclito

Tudo ao nosso redor está em movimento a todo instante, é um ciclo de transformações. Nas palavras de Lavoisier (1743-1794), famoso químico francês e considerado pai da química moderna, “Na natureza nada se cria, nada se perde, tudo se transforma”, ou seja, tudo muda. Os filhos crescem cada vez mais rápido, o trabalho ocupa cada vez mais o nosso tempo e de diferentes maneiras, buscamos continuamente satisfação pessoal quando na verdade não temos sequer um objetivo claro e bem definido, conhecemos pessoas e nos despedimos de outras.

Mudar exige um planejamento adequado para que o novo seja encarado em condições suficientes de adaptação. A falta de um planejamento, porém, não indica fracasso nesse processo mas, é importante que a pessoa esteja preparada quando a mudança ocorre de maneira inesperada. Devemos nos dispor a encarar o novo, estarmos abertos a novas possibilidades e, caso necessário, ajustar o plano para chegar ao destino. Não é porque o barco saiu do porto com uma rota traçada que não se possa aventurar pelo caminho.

Disciplina mental

O psicológico humano interfere em nosso desenvolvimento mais do que possamos imaginar. Situações diversas, tais como: medo de tomar uma atitude que julgávamos ser a melhor em determinado momento, aquela falta de vontade perante os novos desafios, ainda ou, o fato de não sabermos lidar com problemas pequenos (aos olhos dos demais) mas que nos afetam de alguma maneira, têm em comum o aspecto psicológico.

Continuar é um risco, desistir é a certeza do fracasso.

Diante dessas e outras situações, destacam-se àqueles que dominam o seu lado mais complexo, e é isso que diferencia uma pessoa bem-sucedida daquela que apenas quer ser. O impacto que desejamos ter em nossas vidas está ligado diretamente à vontade de querer fazer dar certo e no empenho empregado. Todo o resto é consequência.

Se queremos algo, precisamos nos dedicar o quanto for necessário para alcançar nosso objetivo, em qualquer aspecto de nossas vidas. O resultado só vem após um longo período de dedicação, esforço, estudo, aprendizado, disciplina, testes e mais testes, erros, quedas, acertos, melhoria, mudança de comportamento, e por aí vai. Quem está disposto a passar por um cansaço psicológico desse tamanho para chegar onde quer? É mais cômodo ficar em paz, não é verdade?

Muitas pessoas permanecem no erro durante longos períodos e quando tentam algo novo e não obtém àquilo que desejam de imediato, logo se frustram, preferem desistir e continuar a fazer o que sempre fazem esperando resultados diferentes. O gatilho que precisamos mudar está relacionado à disciplina do lado psicológico para criarmos rotinas que nos façam progredir, um pouco de cada vez.

“Continuar é um risco, desistir é a certeza do fracasso…”

autor desconhecido

O primeiro e maior beneficiado pelo desgaste psicológico sofrido será a própria pessoa que o praticou/sofreu, depois os que estão os mais próximos. Não é fácil, afinal, o imediatismo faz com que fiquemos desconfortáveis em situações de cansaço psicológico, mas todo esse esforço é necessário para que o crescimento ocorra de maneira gradual e saudável a fim de potencializar o que se deseja alcançar.

Lacunas

Lacunas são espaços vazios, reais ou imaginários e, podem representar uma falha ou, ainda, ausência de alguma coisa que nos faz falta. As lacunas existem única e exclusivamente para serem fechadas, cobertas com algo que seja forte o suficiente a ponto de não permitir que outra fissura apareça no lugar. Elas não podem ser esquecidas ou, simplesmente deixadas de lado, se por um acaso isso acontecer, permanecerão ali, no canto, mas estarão sempre presentes.

lacunas
As lacunas em nossas vidas podem nos derrubar ou, nos engrandecer.

Mesmo uma lacuna sendo um espaço pequeno que foi negligenciado e deixado de lado, pode impactar negativamente conforme o nosso crescimento. Imagine uma casa com uma parede que apresenta uma lacuna entre suas camadas, essa mesma lacuna representa um perigo bem maior se existir em um prédio de cem andares não é verdade!? As lacunas que não são resolvidas não crescem junto conosco mas, nos acompanham junto com as consequências.

Do mesmo modo que essas lacunas indicam um espaço vazio em nossas vidas, elas servem para nos mostrar o que é preciso fazer para que as coisas deem certo. Às vezes, nossos planos não saem como o esperado, nos vemos presos em uma situação para a qual não nos preparamos, então cria-se uma lacuna, que quando for devidamente fechada nos proporcionará um crescimento pessoal igualmente prazeroso. Assim como ela corrói, ela edifica!

Sempre temos a opção de fechar as lacunas que eventualmente aparecem no meio do caminho, com esforço, estudo, empenho pessoal, amadurecimento ou, simplesmente, aceitação. Isso nos fortalece, assim, seremos os primeiros a usufruir dos benefícios! Por consequência, as pessoas que estão conosco. Para que possamos mudar o ambiente ao nosso redor, precisamos primeiramente mudar a nós mesmos e, isso inclui fechar as lacunas que impedem o nosso desenvolvimento.

Servidão

Se pudéssemos definir uma ação que pode interligar todas as pessoas, eu diria que é a servidão. O simples ato de servir ao próximo em qualquer cenário, tipo de serviço, necessidade pessoal, relações de trabalho, familiares, amizades ou, até mesmo quando não existe nenhuma ligação direta entre as partes envolvidas, o ato de servir aproxima as pessoas ao que de fato somos, seres humanos.

Nem sempre é uma tarefa fácil se dispor a servir alguém. Estamos em um mundo cada vez mais cercado de perigos, desconfianças, com o instinto de autopreservação no limite, que passamos a ignorar às necessidades dos demais em prol de nossas próprias vontades e, muitas vezes nem é nada disso. Ignoramos por egoísmo ou, comodismo que o ritmo acelerado nos dá como recompensa em troca do nosso tempo.

Muitos problemas não foram causados por nós, mas podemos servir para tentar resolver!

Quando passamos a enxergar às necessidades dos outros, começamos um processo interno que é o de melhoria pessoal. Servindo a alguém ou, a algum propósito definido, nos despimos de nossos preconceitos e medos para a prática de gestos, ações e atitudes que promovem um bem-estar pessoal e nos ajuda de fato a melhorar.

“A mudança externa precisa começar a partir de uma mudança interna”

Independente da fase da vida na qual nos encontremos, estaremos sempre servindo ou, necessitando que alguém nos sirva, faça um retrospecto da sua vida e verás que é verdade. Essa relação simplesmente existe, quer queiramos, quer não. A maneira como lidamos com isso pode ser um fator determinante para as relações futuras, compreensão das pessoas e interfere diretamente nas relações sociais ao nosso redor.

Antes de começarmos a servir os outros, precisamos servir a nós mesmos. É edificante poder ajudar alguém quando se faz mais necessário, porém, a ação sem a verdadeira intenção em nada modifica quem a pratica, é o “fazer por fazer”. Assim como o primeiro a ser beneficiado pelo perdão é aquele que perdoa, o primeiro a ser beneficiado pelo ato de servir é quem se dispõe a servir!

Desenvolvimento pessoal

Dinheiro, sucesso, sonhos realizados, trabalho ideal, vontades e luxos ao alcance das mãos e sem preocupações diárias. Legal né? Muitos de nós buscamos isso, totalmente aceitável. Talvez estejamos até com os objetivos certos em mente, porém, com as motivações erradas. O que muitas vezes deixamos de lado é justamente o nosso desenvolvimento pessoal, algo muito antes de qualquer profissão dos sonhos, sucesso ou, reconhecimento em uma determinada área.

O seu desenvolvimento pessoal pode ter levar onde você deseja chegar!

O que existe em muitas pessoas é a falta de vontade em se capacitar e, não estou falando apenas de cursos técnicos, profissionais ou, acadêmicos e, sim, crescer enquanto indivíduos, saber um pouquinho mais de coisas novas de cada vez. É necessário que estejamos em constante evolução, melhorando nossas habilidades e descobrindo outras. Esse processo de descoberta e aprendizagem estimula desde a criação de sinapses no cérebro até promover melhorias em nosso meio.

A corrida diária, compromissos, imprevistos, reuniões, trabalho, etc, tomam muito do nosso tempo e quanto conseguimos algum, pensamos primeiramente no descanso, ficar sossegado, em paz. Mas talvez a gente se encontre em meio a essa confusão contínua justamente por não investirmos tempo em nossa melhoria como pessoa. Muitas vezes dizemos que queremos aquilo que está a nosso alcance quando na verdade queremos mais, porém, acabamos nos contentando. Isso nos limita e nos deixa preso em um círculo vicioso de satisfação imediata.

Seu nível de sucesso raramente excederá seu nível de desenvolvimento pessoal, pois o sucesso é algo que você atrai pela pessoa em que se torna

Jim Rohn

O crescimento acontece quando saímos um pouco de cada vez da nossa zona de conforto, aquele espaço que nos deixa seguros e onde temos tudo sob controle. É bom, só isso! Quando nos dispomos a aumentar essa área segura, realizamos novos projetos, temos novas ideias, conhecemos outras pessoas, desenvolvemos novas habilidades e adquirimos novos conhecimentos, tudo isso somado, abre um mundo de possibilidades para quem o pratica!

Matrix

O que é melhor? A busca pela verdade e conhecimento ou o conforto da ignorância? Para aqueles que já assistiram o filme Matrix alguma vez, talvez essa pergunta seja familiar e até é possível visualizar uma certa cena na cabeça. Aquela, na qual Morfeu oferece a Neo a opção de escolher entre tomar a pílula azul ou, a pílula vermelha. A decisão tomada ali, mudaria todo o curso da história para o personagem.

matrix
matrix: já fez a sua opção?

Essa pergunta é antiga, originada na antiguidade a partir do mito da caverna (de Platão). Mesmo sendo tão antiga, existindo referências em diversos filmes e exemplos no mundo real, por que parece que ainda não sabemos a resposta para essa pergunta? Ou teimamos em fazer qualquer outra coisa que não a busca pela verdade?

Talvez porque nem sempre a verdade edifique, em alguns casos, ela destrói e machuca antes de servir como combustível e impulso para crescermos em qualquer âmbito de nossas vidas. É inegável a vontade natural que temos em ficarmos confortáveis mas devemos nos questionar o seguinte: “Até que ponto nossa inércia e falta de atitude frente às diversas situações refletem na vida dos demais ao nosso redor?”

O homem enquanto ser, evoluiu graças à busca contínua pelo conhecimento. Por meio dessa busca, tantas tecnologias foram criadas, produtos, serviços, o conceito de moeda, construções, técnicas, monumentos, cidades, etc. Bem como, toda a falha humana que também é consequência dessa busca excessiva por conhecimento, poder e dominação.

O conforto não é ruim, longe disso, mas precisamos entender que não é possível ficarmos confortáveis diante de situações incomuns e que causam tanto sofrimento, dor e perdas a quem quer que seja. Temos vários exemplos ao longo da história da humanidade que poderíamos usar como espelho para aprendermos e melhorarmos cada vez mais. Porém, muito pelo contrário, acabamos por regredir a passos largos, à medida que desejamos ficar cada vez mais confortáveis onde estamos.

Carpe Noctem

A cada novo ciclo é possível rever todo o caminho trilhado até então, podemos ainda rever o que deu errado e agradecer pelos objetivos alcançados. Muitas vezes deixamos de mostrar e praticar essa gratidão e desviamos nossa atenção para coisas e pessoas que não nos agregam e nem nos engrandecem enquanto seres humanos.

No dia a dia somos expostos a situações adversas que requerem nossa atenção de maneira única, pensamentos e atitudes direcionadas que simplesmente nos cansam. Às vezes, uma fala inesperada já é suficiente para fazer o chão desabar sob nossos pés. Devemos ater nossa atenção às coisas que nos fazem bem, àquilo que nos faz brilhar os olhos e faz com que tenhamos que pensar em formas de executar a qualquer custo por satisfação pessoal.

carpe noctem
carpe noctem: aproveite a noite

Estamos cercado de obrigações, deveres, coisas e comportamentos que não gostamos mas, simplesmente toleramos e essa aceitação forçada faz com que elas acabem fazendo parte do nosso ser. Atrapalham nossa vida, influenciam nossas decisões, nossa saúde. Chega disso, não!?

No meio disso tudo, os dias vão se passando e cabe a nós escolher como vamos passar pelos dias… Devemos extrair e direcionar nossos esforços para o que há de melhor em nós, manter o foco naquilo que realmente nos agrega valor e nos faz crescer cada vez mais e, sempre que possível reavaliar tudo de novo.

Arredores

“Você é a média das cinco pessoas com quem mais convive” Essa frase é conhecida e muito repetida por ai. Parando pra analisar melhor ela apresenta um significado que pode passar desapercebido. A frase dá a ideia de olharmos para nós próprios como centro da questão e muitas vezes não percebemos aquilo que nos cerca, que pode nos limitar ou nos expandir.

arredores
Arredores: quem te acompanha?

Não adianta queremos mudar por conta própria buscando a felicidade ou realização de algum objetivo e não cuidar dos pensamentos, coisas e, pessoas que estão ao nosso redor e ocupam nosso tempo. É como tirar a erva daninha de um único galho de uma árvore. Fazendo isso o galho estará livre da praga mas a árvore não e, eventualmente aquele galho ficará à mercê da ação da erva daninha.

Da mesma maneira acontece em nossas vidas, não adianta nós buscarmos melhorar enquanto pessoas se não pudermos ser capazes de melhorar aquilo que nos cerca. Em especial, o nosso relacionamento com os demais deve ser revisto. Há pessoas que podem nos derrubar com um simples comentário e outras que nos elevam e podem nos tornar melhores do que somos, essas agregam valor a nossa existência.

A limpeza dos arredores da nossa vida é um trabalho interminável e que precisa ser feito de tempos em tempos. Quanto mais a gente limpa as coisas próximas da gente, cada vez mais longe seremos capazes de limpar e, quanto mais longe mais impacto conseguiremos causar na vida das outras pessoas e por consequência na nossa, deixando os arredores infinitos.

Navegar é preciso

Navegar é preciso
Navegar é preciso! Sempre!

“Navegar é preciso, viver não é preciso”.

Certamente em algum momento da vida muitos já ouviram essa famosa frase dita inicialmente por Pompeu, que foi um general romano, aos marinheiros amedrontados em viajar durante as guerras existentes na época e, amplamente conhecida por Fernando Pessoa. Num primeiro momento é difícil entender o porquê do fato de viver não ser necessário já que simplesmente vivemos e buscamos viver cada vez mais.

O não entendimento é natural afinal, quando pequenos não temos a real noção da infinidade de possibilidades que a vida nos oferece, em todos os sentidos. Quando crescemos um pouco ficamos muito ocupados em querer ser o melhor de nós mesmos, buscando novas sensações e experiências muitas vezes sem compromisso, apenas pelo prazer instantâneo.

Ao chegarmos na melhor idade (vida adulta) compreendemos de imediato a importância e significado dessa frase. Navegar significa criar novas possibilidades, tornar grande a nossa existência, ir além de onde normalmente iríamos, conhecer pessoas influenciando-as a serem melhores e vice-versa. É fazer parte de algo maior que transcenda o tempo e sirva de inspiração para outras gerações, mesmo que para isso usemos tudo o que temos e o que somos.

Navegar possibilita ainda, de acordo com o navegante, apenas ir. Sem direção ou destino certo, aproveitar o caminho descoberto a cada momento, sentir o vento e o mundo em seu modo mais natural. Aos que preferem o planejamento, navegar permite pensar em situações diferentes que devido a rotina do dia a dia acabamos por fazer no “modo automático”.

Viver acabou se transformando em uma sequência de passos que executados de maneira satisfatória nos permite ter uma vida boa. Navegar é mais que isso! Permite-nos sair do mundo comum por um tempo, oferece novas possibilidades e desafios, liberdade, espaço para respirar, pegar um um fôlego e de fato conseguir navegar para cada vez mais longe.

Interseção

No dicionário, a palavra interseção pode ser definida de duas maneiras. A primeira, como “o encontro de duas linhas ou de dois planos que se cruzam” e, a segunda, “corte, principalmente quando feito pelo meio do objeto”. Já, na nossa vida pode ter um significado muito maior.

Durante toda a nossa existência, ao percorrer os caminhos que nos são apresentados, somos postos diante das interseções da vida. Aquele ponto comum entre duas retas com sentido, direção e intensidades diferentes que por um momento se cruzam, podendo misturar forças e por um instante serem únicas. Geralmente essas interseções nos mostram alguma possibilidade futura a partir daquele ponto, a qual só será possível descobrir se a linha tiver sua trajetória alterada.

interseção
Interseção: pegou o melhor caminho?

Cada interseção encontrada em nossas vidas são as decisões que tomamos. Muitas vezes não acertamos, por inexperiência ou, curiosidade pelo desconhecido, até mesmo a pressa do dia a dia nos influencia. Inúmeros são os motivos mas só há uma certeza. Que a partir daquele ponto nada será como antes, semelhante ao oceano que ao receber a menor das gotas de chuva já se encontra modificado. Da mesma forma acontece conosco, em nossas relações, encontros e despedidas, sorrisos e acenos, gentilezas e olhares.

Cada um desses pontos de decisão tem a possibilidade de criar infinitos caminhos, inicialmente não planejados, podendo nos levar a destinos inimagináveis para a nossa realidade. Por um instante são capazes de transformar um sonho em algo concreto. Esse mesmo encontro também é capaz de trazer à toa pensamentos até então esquecidos no âmago do nosso ser e que só são postos à mostra quando diferentes linhas se interligam formando um pequeno ponto.

Nem sempre é possível identificar com facilidade o momento certo do cruzamento dessas linhas em nossas vidas. Então, fiquemos atentos! Com um olhar mais cuidadoso pode-se enxergar além de um simples ponto. Pode-se ver todo o caminho daquela linha até aquele instante, assim como, todo o caminho possível a ser criado daquele ponto até o infinito.