Seja importante

Tem um livro do professor Mário Sérgio Cortella chamado “Viver em paz para morrer em paz”, e lá ele faz um questionamento muito válido para todos nós, a pergunta é:

” – Se você não existisse, que falta faria?”

Quando a gente lê pela primeira vez, talvez a importância e profundidade dessa pergunta passem desapercebidos, mas à medida que os anos vão passando, os objetivos vão sendo alcançados, outros sendo definidos, prioridades e relacionamentos sendo revistos, a gente se dá conta que naturalmente pensamos dessa maneira, alguns passam a temer a morte, mas não nos preocupamos com a nossa importância na vida das pessoas, apenas com a nossa partida.

Importe-se com os outros e serás importante!

Morrer todo mundo vai, devemos priorizar as coisas que temos poder de decisão e ação direta. Precisamos perceber as coisas com as quais devemos gastar tempo: relações, ensinamentos que queremos passar aos nossos filhos, momentos alegres e de comemoração com pessoas próximas. Tudo isso acumulado ao longo dos anos gera lembranças e nos dá um sentimento de nostalgia de uma época em que, pelo menos naquele retrato do tempo, a felicidade existia.

Não devemos nos preocupar com nossa morte, mas sim com nossa importância. Quem é importante faz falta, fica sempre na memória e no coração, é incorporado e se eterniza junto àqueles que permanecem.

A palavra importante tem sua origem no Latim importans, de importare, “ser significante em”, originalmente “trazer para”, formado por in-, “em” + portare, “levar, carregar”. E como fazer para se tornar importante? A resposta é: importando-se com os outros, com as palavras ditas nos momentos difíceis, nos risos partilhados em momentos de alegria, nos ensinamentos passados adiante, no companheirismo e cuidados quando necessário.

À propósito, ser importante não é o mesmo que ser famoso. Existem pessoas importantes que não são famosas – trabalhadores, pais, mães, filhos, estudantes, assim como, existem pessoas famosas que não tem nenhuma importância para você. Isso é muito nítido nos dias de hoje com tanta exposição e compartilhamento de tudo a todo instante, muitas vezes, aplaudimos, idolatramos e ficamos cegos ao ponto de esquecer nossas relações pessoais e momentos que verdadeiramente agregam em nossas vidas.

E mais, não precisa estar junto a todo instante querendo preencher todos os momentos da vida das pessoas, olha o exagero. Tem pessoas que nos alegram com a sua ausência, outras só de lembrar do jeito, outras pessoas já estão mortas, mas não sabem disso, já não amam, não trabalham, não sentem que tem um propósito maior de vida, apenas passam pelos dias… É como já foi dito: “O homem começa a morrer na idade em que perde o entusiasmo.”

Aprende a viver bem, e bem saberás morrer.

confúcio

Se vamos morrer com toda a certeza, então vamos fazer a máximo possível para termos a vida dos nossos sonhos, sendo importantes para nós – num primeiro momento – e, em seguida, nos tornarmos importantes para aqueles que queremos bem. Existe vida mais fácil, vida melhor, vida mais rica, mas de nada adianta se não estivermos em paz conosco, não pudermos nos eternizar na vida das pessoas e, tomar uma taça de vinho no fim do dia. Sejamos importantes!

Banho de chuva

Banho de chuva é aquele desejo infantil que nunca é saciado. Quando crianças, desejamos a todo custo tomar um banho desses não é verdade? É aquele banho divertido, na rua com os amigos, correndo pra lá e pra cá, sem preocupação alguma. É o banho que alivia, e nos faz rir mesmo sem motivo, é um banho raro e difícil de ser tomado, mas quando aparece a oportunidade todos os nossos esforços se direcionam para aquele momento.

A vida é curta demais para não se tomar um banho de chuva!

Ao longo dos anos seguintes ao da nossa infância, esses banhos vão se tornando cada vez mais raros, ficamos mais cautelosos e passamos a ter medo da água que vem dos céus. Quando fica muito tempo sem chover, carrega para baixo partículas de sujeiras que flutuam no ar, quando o tempo está frio, podemos pegar um resfriado, ou uma gripe, e assim vai. Problemas e obstáculos aparecem nos impedindo de sorrir. Para as crianças um banho de chuva nunca é visto como algo ruim.

Devemos ter cuidado para não carregar esse sentimento a toda e qualquer situação de nossas vidas. Preocupações, dificuldades, tristezas, chateações sempre vão existir, e muitas vezes para aqueles problemas que parecem não ter solução, só precisamos dar um tempo, esfriar a cabeça, clarear as ideias, brincar um pouco, sentir a chuva cair sobre nossas cabeças, levar com ela as angústias e disfarçar nossas lágrimas.

Um banho de chuva levanta lama do chão, suja a roupa por completo, ensopa os sapatos. “Sapatos?” – Não! Banho de chuva se toma descalço, com os pés no chão, sentindo o cheiro de mato, cabelo bagunçado, corridas alegres, quedas e escorregões, com felicidade e risos espontâneos. Ao mesmo tempo que o banho de chuva lava a alma, tem a capacidade de regar bons pensamentos. Melhor que um banho de chuva – talvez – só um banho de cachoeira!

“Um banho de chuva pode ser mais eficaz do que anos de terapia “

Caroline Olias

Crescer nos tira muito mais do que possamos imaginar, vamos nos distanciando de quem nos protege, nos coloca em situações com as quais não sabemos lidar, nos desafia a sermos pessoas melhores quando nem sempre queremos, ou não temos forças para ser. Uma das poucas coisas que nos liga às lembranças do início de nossas vidas é um banho de chuva. Liberte a criança que existe em você, um banho de chuva pode ser mais eficaz do que anos de terapia!

Fotografia

Em uma fotografia é possível registrar momentos únicos vividos apenas pelos protagonistas da imagem. Toda a tentativa de reconstruir a emoção sentida naquele momento é em vão. Nada pode ser feito para transparecer e conhecer o que está por trás de uma imagem. Assim como um pintor não pinta o mesmo quadro duas vezes, uma foto não registra o mesmo sentimento duas vezes.

Na busca frenética por imagens cada vez mais bonitas, filtros que destaquem alguma particularidade especial, registros únicos para mostrar aos demais, esquecemos muitas vezes de viver aquele momento único que jamais irá se repetir. Para alguns, as fotos espontâneas são as mais bonitas, captam o melhor da essência de uma pessoa, aquele sorriso que se ensaiado não sai o mesmo, aquele brilho nos olhos que cativa, aquele gesto natural de jogar os cabelos.

As fotografias ativam lembranças e com elas é possível viajar no tempo. No mesmo instante passamos a dizer: “- Como passa rápido” ou, ainda, “- Parece que foi um dia desses”. Desejamos sentir e viver tudo aquilo novamente. Essa magia interliga dois pontos distantes no espaço e de algum modo faz com que os velhos se sintam mais novos, os casais se lembrem dos sorrisos e olhares apaixonados e, torna os sonhos mais vivos!

O que vai ficar na fotografia são os laços invisíveis que havia…

Música: Fotografia (leoni)

Aqui vale lembrar àquela máxima repetida desde sempre: “Uma imagem vale mais do que mil palavras”. A imagem, seja ela em papel ou, uma lembrança guardada na memória funciona como se fosse um livro ou, filme, tem início, meio, fim, personagens e, enredo. Algumas vezes precisam de explicação ou, não, simplesmente podemos deixar que cada um interprete a sua maneira. O ato de fotografar exige um olhar apurado para que seja possível registrar lembranças e sentimentos que nos lembrem de quem somos sempre que preciso.